Massas de escultura

Basicamente, argila à base de água é uma mistura de pó de argila com água. Existem alguns tipos de argila que são mais apropriados para uso em cerâmica e outros para modelagem. A argila comum encontrada no Brasil é mais apropriada para o uso em cerâmicas por causa de sua secagem rápida. Ela é menos usada em escultura de efeitos especiais se comparada as Oil Clays. Apesar disso, ela é mais barata se comparada as outras argilas, o que é importante quando se faz esculturas muito grandes. Além de ser usada em esculturas, a argila é muito usada no processo de fazer moldes de esculturas, principalmente quando se trata de de fazer parede de argila e cama de argila para esculturas feitas em Oil Clays. É bem fácil trabalhar com este tipo de material quando se tem a quantidade certa de água. Pode-se inclusive borrifar água com um spray para deixá-la úmida. Da mesma forma, também é fácil de se remover de um molde usando um spray de água. Como ela seca em contato com o ar devido à perda água, suas esculturas devem ser mantidas cobertas para não secarem.
A plastilina nada mais é do que uma Oil Clay. A diferenciação do nome é comum no Brasil, mas em outros países é apenas plastilina, plastiline ou plasticina e plasticine. Resumindo, oil clay é o tipo, a familia. Plastilina é o nome. É aquela mesma massinha escolar infantil que a maioria das crianças nascidas nas décadas de 80 e 90 brincaram na escola. A plastilina geralmente é uma mistura de cargas orgânicas com pigmento, parafina e cera. Ela permite uma boa maleabilidade, mas tende a derreter e amolecer no calor. É uma argila à base de óleo, cera ou mesmo uma mistura destes. Portanto ela não seca e é permanentemente flexível, permitindo seu reaproveitamento. É uma ótima opção para iniciantes na modelagem e muito usada por profissionais para estudos e protótipos. Algumas marcas de plastilina são: ACRILEX, DULATEX, CORFIX, Dimclay, Van Aken, Roma Plastilina, Chavant e Klean Klay.
A palavra Clay quer dizer "argila' em inglês, e Oil significa "óleo". A argila à base de óleo (Oil Clay) é uma argila sintética cujos componentes são a base de óleos e ceras. Sua principal finalidade é a modelagem de protótipos ou de esculturas matriciais para produção de moldes. Este tipo de massa é a mais usada para criação de esculturas em efeitos especiais no cinema. As oil clays tendem a derreter com o calor, podendo até mesmo se liquefazer em temperaturas mais elevadas. Esta clay possui muitas "durezas" diferentes, cada uma com determinada finalidade: Soft - mais maleável, é ideal para peças grandes, podendo ser trabalhado com as mãos sem dificuldades; No Brasil, a soft é conhecida como Plastilina. Medium - um pouco mais dura, já permitindo uma riqueza de detalhes maior, para ser trabalhada com as mãos e com "estecas e ferramentas; Firm - uma clay mais dura para ser trabalhada com ferramentas e que comporta um nível de detalhamento muito bom, podendo também ser trabalhado com as mãos; Extra Firm - uma clay bem mais dura que comporta um nível de detalhamento muito grande e ideal para ser derretido e despejado dentro de moldes de borracha de silicone, afim de se fazer alterações em uma peça. Hard - normalmente são as clays mais duras do mercado, tendo as mesmas propriedades e necessidades do clay Extra Firme, sendo ideal para esculpir com ferramentas e permite grande detalhamento. Para ser trabalhada com as mãos, é necessário aquecer a massa para que ela amoleça tornando possível a manipulação.
São Massas à base de polímero, ou seja, há em sua composição pequenas partículas de PVC. Geralmente, elas são macias e flexíveis e permitem trabalhar como se fosse uma argila para cerâmica, com a diferença de que não seca quando exposta ao ar. A principal característica das polymer clays é o fato de que, após terminar sua escultura, ela pode ser assada num forno comum. Depois de esfriar, ela se transforma num material plástico rígido e pode ser lixada, furada e pintada com tintas acrílicas. Este é o tipo ideal de massa para quem quer esculpir e ter sua peça finalizada sem a necessidade de fazer molde e casting. Existem várias marcas no mercado sendo as mais comuns, FIMO, PV Clay, Super Sculpey.
Aqui na Claytrix utilizamos o thinner da ACRILEX para este fim, aplicando com um pincel de cerdas macias, mas existem várias outras opções. É impostante lembrar que alguns fabricantes já te dão esta indicação, daí a importância de ler os rótulos e embalagens e pesquisar sobre o material que está adquirindo. Isso porque algumas marcas aceitam bem alguns solventes e outras não. Álcool, D-limonene, Thinner para artesanato, óleo de linhaça, creme hidratante, são alguns exemplos de materiais usados no alisamento, mas nem todas as marcas aceitam todos os tipos de materiais. Portanto teste antes! Tire um pedacinho da sua massa e teste com esses materiais que citamos! Depois é só alisar!
Também conhecido como porcelana fria, é uma massa caseira que seca em contato com o ar. Em relação a outros tipos de massa, o biscuit não permite tantos detalhes. Assim, ela é mais indicada para esculturas de objetos que não tenham detalhes muitos finos. No Brasil, estas massas são muito usadas em artesanato, podendo ser encontradas muitos tutoriais e revistas especializadas. O biscuit é uma boa alternativa para massas de baixo custo, mas seca muito rápido obrigado o escultor ou modelador a ser muito ágil em seu trabalho. Por isso não é muito indicado para quem está começando, justamente por não permitir que o iniciante tenha tempo de manipular e aprender. Outra característica negativa é que o biscuit possui grande contração ao secar, havendo assim grande perda de volume e consequentemente a deformação ou perda de detalhes. Uma vantagem é que você encontra a massa já tingida em várias cores, adiantando o processo de pintura.
Pra você que quer se aventurar e produzir a própria massa de biscuit, vai uma receitinha de como fazer: Ingredientes: 2 xícaras de chá de cola branca; 2 xícaras de chá de amido de milho (Maizena); 1 colher de sopa de de suco de limão (esprema um limão e pegue essa quantidade); 2 colheres de sopa de vaselina líquida (comprada em famácias); 1 colher de sopa de creme para as mãos (não gordurso), tinta à oleo para pintar tela (quadros) afim de colorir a massa nas cores desejadas. Modo de Preparo no Microondas: 1) Coloque numa tigela de vidro a maizena, a cola branca e a vasleina líquida e vá mexendo. Esprema o limão na colher e adicione à tigela. Misture bem todos os ingredientes (com exceçãod creme para as mãos). 2) Coloque a tigela no microondas e regule-o para 3 minutos, em potência máxia. Após cada minuto, misture bem a massa com um colher de pau. Em seguida, volte ao forno. Se necessário, deixe-a por mais 1 ou 2 minutos no forno, sempre verificando e misturando a massa após cada minuto, até que fique completamente cozida. A consistência da massa cozida é semelhante à da massa de modelar. 3) Uma vez pronta a massa, espalhe sobre uma superfície lisa o creme não gorduroso para mãos, sem exceder na quantidade indicada na receita. 4) Lave bem as mãos agora, para evitar formar bolo na massa. Despeje a massa por cima, ainda quente. Sove-a por vários minutos seguidos. Quanto mais você manuseá-la, melhor ela ficará para trabalhar. 5) Quando a massa estiver bem sovada, pressione-a formando um rolo maciço. 6) Coloque a massa numa saco plástico ou envolva-a em filme de PVC, para evitar que resseque. Utilize-a quando estiver totalmente fria. Modo de Preparo no Fogão: 1) Misture todos os ingredientes (exceto o creme para as mãos) numa panela antiaderente. Leve ao fogo brando, mexendo sempre com a colher de pau, até que a massa forme uma bola e solte do fundo e dos lados da panela. 2) Em seguida faça o mesmo que os passos 3, 4, 5 e 6 do microondas. Para colorir a massa durante a sua criação, use tinta à óleo para tela e se desejar tons metálicos, pode-se usar até purpurina em pó. Lembre-se que a massa deve ser guardada enrolada em plástico (filme de PVC).
A DAS é uma massa Italiana que seca em contato com o ar e de fácil manuseio. É um tipo de cerâmica com uma textura parecida com a do Papel Machê. Seu alisamento pode ser feito com água e é extremamente fácil de ser modelada com as mãos. Depois de seca, ganha a aparência e textura de uma cerâmica. Dessa forma aceita ser lixada e pintada facilmente. É muito mais usada para artesanatos simples como potes, vasos e afins por não permitir muito detalhamento. Possui baixo custo e não é muito difícil de ser encontrada.
Em geral são massas bi-componetes, sendo um deles adesivo e o outro secante. A mistura dos dois transforma-se numa massa homogênea que seca num determinado período de tempo tornando-se muito resistente. Na verdade o Epoxi é um cimento químico industrial, que vira uma pedra e é mais utilizado em reparos variados. Na escultura ela é tanto usada para modelar quanto para servir de reforço na estrutura interna. Existem várias marcas como PoxiBonder, Araldite, Polyepox, Pulvipox e Durepoxi. Uma boa característica do Epoxi é sua resistência após secar. Mas assim como o biscuit, é uma massa que seca em determinado período de tempo, obrigando a quem modela ser ágil. Não indicamos este tipo de massa para iniciantes.
Não tem jeito. Não é possível secar ou endurecer as plastilinas e oil clays com o propósito de pintar e colocar na sua estante. Mas não fique triste com isso. Existem outras massas para este fim. As plastilinas e oil clays são massas feitas para prototipagem e estudo que nunca alteram o seu estado natural, ou seja, elas nunca endurecem. São massas criadas com o intuito de serem reaproveitáveis. Para se obter uma peça final, essas massas obrigatoriamente exigem que você produza um molde para posteriormente fazer uma réplica da escultura original em outro tipo de material como resina ou gesso por exemplo. Depois de feito o molde, você poderá reaproveitar sua plastifica para fazer outro trabalho. E esta é uma grande vantagem! Se você tem uma quantidade aceitável de oil clay, provavelmente não vai precisar comprar mais massa por muitos anos!
Tudo vai depender de qual o seu objetivo no final. vários tipos de massa permitem que você tenha uma peça única, mas umas são melhores que outras para isso. -A argila pode ser assada para endurecer, mas exige grande experiência na queima, além de se tornar frágil e quebradiça depois de assada. -As massas Epoxi (como o durepoxi) também endurecem, mas para o universo da modelagem e escultura, este é um material difícil e de manuseio limitado. Por ser uma massa bicomponente que endurece por reação química após a mistura, você não tem controle sobre o endurecimento dela, o que te obriga a ser ágil na modelagem antes que ela endureça e te impeça de terminar. -O biscuit também endurece. Mas assim como as massas epoxi, você precisa ser rápido pois o biscuit seca em contato com o ar. Além disso, durante o processo de secagem o biscuit perde muito do seu volume, o que pode fazer com que sua escultura acabe deformando ou perdendo detalhes pequenos que você porventura tenha feito. -a DAS é uma massa tipo cerâmica, que também seca em contato com o ar, apresentando as mesmas dificuldades da epoxi e biscuit. -As polymer Clays são a melhor opção para quem quer fazer peças únicas. Tratam-se de massas a base de polímero de pvc (plástico) que são fáceis de modelar, não secam com o ar e te permitem todo o tempo que quiser para trabalhar. Depois que terminar sua escultura nesta massa, é só levar a peça a um forno convencional por cerca de 30 minutos, assar em temperatura baixa e sua escultura vai endurecer. Aí é só pintar!
Cada tipo de massa tem sua função e sua particularidade. Por isso não diríamos que esta ou aquela massa é a melhor do mundo. Além disso, cada pessoa tem uma preferência diferente da outra. Uma massa que é boa para um pode não ser tão boa para outro. Mas é fato que dentro de cada tipo de massa, existe uma marca ou fabricante que possui mais qualidade do que outro. Além disso, basta observar o mercado. Qual a marca de massa é mais usada no mundo? Isso poderá lhe dar o caminho. Mas no final, a melhor massa de escultura que existe é aquela que você mais gosta e a que mais se adaptou. Por isso é que nossa dica para você é: experimente todas que puder!
Cada tipo de massa tem sua função e sua particularidade. Por isso não diríamos que esta ou aquela massa é a melhor para iniciar. Além disso, cada pessoa tem uma preferência diferente das outras. Uma massa que é boa para um pode não ser boa para outro. Mas, nós sempre recomendamos às pessoas que nunca tiveram contato com escultura a começar com plastilina por uma série de características que torna o caminho do aprendizado mais fácil. Características como: - fácil de encontrar e o preço é acessível. - possui muitas opções de cores. - é um material reaproveitável. -é macia, o que facilita o manuseio. -não faz tanta sujeira como outras massas. -permite alto nível de detalhamento

Ferramentas

Ferramenta é algo muito pessoal nesse universo de escultura e modelagem. É claro que existem ferramentas próprias para cada tipo de coisa que for fazer, mas você acaba desenvolvendo preferências entre uma ou outra no decorrer dos seus estudos e prática. O primeiro passo é conhecer um pouco mais sobre cada uma delas. A Claytrix tem video que pode te ajudar! Clique no link e assista! Qualquer dúvida entre em contato conosco! https://www.youtube.com/watch?v=0BXimVDzd-k
Respondendo de cara, as melhores ferramentas que existem são suas mãos. Mas seja para qualquer fim, ferramentas são criadas com funções específicas e, na maioria das vezes, para facilitar ou fazer algo que suas mãos não conseguem fazer. E aquilo que as mãos não conseguem fazer pode ser diferente de uma pessoa para outra. Por isso, dizer que uma ferramenta é melhor que outra pode ser relativo. Fato é que você deve usar ferramentas específicas para o trabalho de escultura. Não usamos um serrote para cortar vidro, por exemplo. Serrote foi feito para madeira. E na escultura existem muitas variações também. Algumas massas são para modelagem, outras para escultura. Umas para biscuit, outras para argila. Endente? Então, o primeiro passo para descobrir a melhor ferramenta de escultura e escolher o tipo certo para o material que pretende usar. Depois atente-se para a qualidade da ferramenta dentre uma marca e outra.

Pintura

Primeiro você precisa decidir o quanto está disposto a investir nisso. Isso porque, materiais mais baratos nem sempre serão ideais para te trazer bons resultados. Para te ajudar, nós fizemos um video explicando um pouco sobre o funcionamento de todos os materiais necessários para se trabalhar com aerografia. Clique no link e assista! Certamente irá te ajudar a decidir! https://youtu.be/1qV4P7DeJRg
Depende do material final da sua escultura. É muito importante que você sempre utilize a tinta certa para cada tipo de superfície que irá pintar. Se a tinta foi feita para se pintar madeira, não deve ser utilizada em resina e assim por diante. As tintas mais utilizadas para se pintar esculturas em resina são as tintas acrílicas. Elas podem ser a base de água ou a base de algum solvente. Nunca se esqueça de preparar a superfície a ser pintada utilizando uma base apropriada (primer) antes de usa a tinta!

Esculpindo

Tudo vai depender de qual tipo massa está usando. As Oil Clays e plastilinas, que são as mais utilizadas pelos escultores, podem ser alisadas com solventes como D-limonene, Thinner para artesanato, óleo de banana e algumas aceitam até mesmo creme hidratante. Mas além dos solventes é essencial que você use as ferramentas chamadas de Rastelos no processo de alisamento da sua peça. São elas que irão nivelar sua escultura para depois receber o solvente e resultar num alisamento satisfatório. Se você tem interesse em investir no aprendizado das técnicas de alisamento, a Claytrix possui um curso online sobre esse assunto chamado Alisamento Extreme. Acesse o link e saiba mais. http://cursos.claytrix.com.br/curso/alisamento-extreme/
Sim, consegue. Todos nós somos capazes de aprender e de desenvolver meios de alcançar aquilo que queremos. A diferença entre quem aprende sozinho ou através de uma aula ou um profissional está no tempo de aprendizado. Quem aprende sozinho leva muito mais tempo para chegar a fazer trabalhos satisfatórios. Além disso, acaba-se gastando mais dinheiro a longo prazo aprendendo sozinho do que com um profissional. Isso porque nas ações de tentativa onde se tem acertos e erros, você acaba gastando dinheiro comprando materiais errados, perdendo ou desperdiçando materiais com seus erros e outras coisas mais. Diferente de quando vem alguém que sabe fazer e te dá o caminho correto das coisas. O investimento que se faz em um curso é menor do que o dinheiro gasto descobrindo as coisas. Somos sempre a favor de estudar e aprender com quem sabe mais do que nós!
Certamente que sim. Se não desse a Claytrix não existiria! rs Na verdade é possível tirar seu sustento de qualquer coisa desde que você seja bom e goste realmente daquilo que faz. Ter amor pelo trabalho é o primeiro passo para te fazer ser um bom profissional naquilo. Depois é trabalho, suor, dedicação e perseverança! É fácil? Não. Nunca é. Mas é muito gratificante, e se acreditar e trabalhar duro certamente vai conseguir!