Categorias
iniciantes Massas

Iniciante na escultura? Tipos de Massas

Por Raoni Vieira

Post Original em:
https://raoniarts.wordpress.com/2018/11/07/iniciante-na-escultura-tipos-de-massas/

Bueno, temos muitas dúvidas quando entramos no mundo escultórico, afinal existem muitas possibilidades. Vou tentar me ater ao básico de escultura, massas e ferramentas pra quem está começando. Também não entrarei em molde e reprodução, o ponto aqui é pra iniciar a criar esculturas.

Primeira coisa que um iniciante precisa saber é que existem vários tipos de massa e cada uma delas terá seus prós e contras. Tentarei ser breve, então listei como “vantagens e desvantagens” mas são apenas características de cada massa. Muitas vezes algo que parece desvantajoso pode ser uma grande vantagem em outra aplicação.

Argila

Material a base de minerais e água.
É o material preferido de muitos artistas por conta de sua consistência, é de fácil alisamento, pois é a base de água, mas requer grandes cuidados em sua secagem para que não apresente rachaduras.
Vantagens: Barato, fácil de encontrar, textura agradável ao toque, pode virar peça final(precisa ir a forno de alta temperatura);
Desvantagens: Seca ao ar, retrai, frágil (especialmente se não for queimada).

Biscuit

Material a base de cola branca e água.
Vantagens: Barato, fácil de encontrar;
Desvantagens: Seca ao ar, o que limita o tempo de trabalho, tem uma retração que eu acho grande e não é tão simples pra modelar pois ele tende a mudar de forma.
Observações: A curva de aprendizado no caso do biscuit é lenta, pois ele seca enquanto se está trabalhando, mas também se consegue obter excelentes resultados.
Não recomendo para iniciantes

Ceras

Material feito com uma ou uma mistura de ceras
(carnaúba, cera de abelha, etc).
Vantagens: Permite um nível de detalhamento maior, pode ser lixada e até polida para superfícies muito lisas.
Desvantagens: Precisa do uso de uma wax pen (ou ferramenta aquecida) para ser trabalhada, também exige o uso de ferramentas afiadas para escavar e cortar.
Observações: Em alguns casos são criados moldes das peças criadas em outros materiais e feito uma cópia em cera pra melhor detalhamento e acabamento.
Ceras também são usadas para criação de molde perdido usado na fundição de peças em metal.
Marca Nacional:
– Dimclay (http://dimclay.com)

Plastilina (oil clay, plasticine, plastiline)

Argila sintética a base de óleos, aqui no Brasil criamos o hábito de chamar de plastilina somente a massa mais macia, mas as oilclay são todas da mesma categoria.
Vantagens: Reutilizável, tem várias durezas, fácil de encontrar
Desvantagens: Para ter uma peça final é necessária a confecção de um molde em silicone pra posterior cópia em resina, ou outro material.
Observações: Existem diversas durezas nas oil clays, desde a mais macia até massas mais duras, semelhantes à ceras.
Recomendado para iniciantes!!!

Marcas Nacionais:
– Corfix, (corfix.com.br);
– Dimclay (dimclay.com);
– X3Clay (reinventarts.com.br);
– Maia Clay ( instagram.com/maiaclay_oilclay/ )

Marcas Importadas:
– Monsterclay;
– Chavant;

Polymer clay (Argila de Polímero, Cerâmica plástica)

Cura somente sob determinada temperatura.
Vantagens: Permite retrabalho, após assada vira peça final podendo receber pintura diretamente.
Desvantagens: Necessita ser condicionada antes do uso, tem um valor alto, necessita de forno para endurecer (forno elétrico é o indicado, as massas curam entre 110 e 150ºC)
Observações: Existem diferentes marcas e texturas, com algumas até se adequando melhor a certos trabalhos, podem vir já coloridas para confeccionar peças sem pintura posterior, mas aceitam muito bem pintura.
Marca Nacional
– PVCLAY (pvclay.com.br);
Marcas Importadas:
– Supersculpey;
– Fimo;
– Premo;
– Beesputty (beesputty.com) (recomendado para miniaturas <10cm);

Massa Epoxi

Massa bi-componente de cura química.
Vantagens: Fácil de encontrar;
Desvantagens: Tempo de trabalho limitado, começa a contar no momento que se misturam os dois componentes da massa;
Observações: Diferentes massas tem diferentes texturas e acabamentos, a durepoxi, por exemplo fica dura como pedra ao curar, a Greenstuff mantém certa flexibilidade. São muito usadas para confeccionar miniaturas.
Marcas Nacionais:
– Durepoxi, Araldite, poxipol
Marcas importadas: Aves Sculpt, Magic Sculpt, Greenstuff, Procreate

Dica: A durepoxi fica melhor de trabalhar se for adicionada a ela uma parte de plastilina. Eu uso a propoção 1:1:1 , ou seja, partes iguais de massa cinza, branca e plastilina.

Aqui merece um adendo importante:

“Quanto maior a escultura, mais macia pode ser a massa.”

Minha recomendação pra quem está começando, independente do foco pra trabalhos futuros, é começar com peças grandes (escala 1:1 ou 1:2), feitas em plastilina.
Pode ser a da Corfix mesmo, fácil de achar em papelarias, pra ir treinando o olhar a perceber formas e planos.
A massa macia exige mais delicadeza mas muito menos esforço em peças grandes. Além de poder ser usada tranquilamente sem ferramentas no início.
Comece com objetos simples, mãos rostos.
Conforme for trabalhando com peças menores, vá aumentando a dureza das massas.

Pode também dar uma olhada no workshop do Pumpkinstein da Claytrix:
http://claytrix.me/workshop
É um personagem de formas simples, bom pra pegar intimidade com a massa e com a ideia de identificar as formas.

Mais uma sugestão, assista o vídeo a seguir:
Guia para iniciantes em escultura:

Categorias
ferramentas iniciantes

Ferramentas

Por Raoni Vieira

Post Original em
https://raoniarts.wordpress.com/2019/09/30/ferramentas/

Ferramentas para iniciantes

Quando iniciamos no mundo da escultura imaginamos que comprar ferramentas é importante, as vezes achamos que é mais importante do que mesmo comprar uma massa adequada.
De fato, o caminho a trilhar é longo, mas ferramentas não são necessidade básica.

Exatamente isso que ouviu, não são necessidade básica.

Quando eu comecei a mexer com escultura obviamente não sabia disso, nem sabia que ferramentas precisaria, então me atraquei em um daqueles kits encontrados no mercadolivre, ou aliexpress, que tem várias ferramentas!

ferramentasdoali
O clássico kit de ferramentas da internet!

Esse kit parece muito bom, tem muitas ferrramentas, pensamos que irá servir pra nos ajudar a fazer todos os detalhes… porém a gente não vai usar nada daí no início. Depois que tivermos algum entendimento de escultura e modelagem, iremos usar duas ou três dessas aí, mas somente em alguns detalhes que não iremos fazer no início do processo de aprendizado.

Comece comprando uma massa de qualidade, prefira investir nisso do que em ferramentas caras.


As ferramentas mais importantes você já tem!
São SUAS MÃOS!!!


Mas procure comprar uma espátula de madeira tipo essa, pois ajuda em alguns detalhes:

pau de laranjeira
O famoso “Pau-de-Laranjeira”
Na verdade é um palito de manicure. Barato e fácil de encontrar.
Funciona em plastilinas, oilclays, argila, polymer clay, e até em biscuit.

Ele serve pra riscar a massa, pra colocar pequenos pedaços de massa em cantos mais difíceis, pode-se rolar ele na massa pra dar uma breve alisada e pra soldar pequenos pedaços durante a blocagem.

Só precisa disso pra iniciar, suas mãos e um palito desse daí (que pode ser de metal, de plástico, de madeira, de bambu)

Eu confeccionei os meus:

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é img_0658.jpg

Mas basicamente o que vais precisar pra começar já foi especificado acima.

Ferramentas Avançadas

Na verdade um escultor tem em sua percepção a sua maior ferramenta.
Cada material irá necessitar um conjunto de ferramentas diferente, além de que cada tipo de efeito, por vezes, é alcançado por uma ferramenta específica.

Categorias
Desafio

Desafio em 1h

por Raoni Vieira

Post Original em
https://raoniarts.wordpress.com/2018/11/21/desafio-em-1h/

Os desafios em 1h foram criados pelo pessoal do grupo da Claytrix no Telegram (grupo com foco em escultura e afins), para praticar a visualização de formas e a prática de maneira ágil. 

Como funciona:

1. É selecionado um tema;
1.1. O tema deve ser o mesmo para todos, pode ser um desenho, só um rascunho ou um conceito.
1.2. Escala, posição, postura, detalhes e elementos podem ser alterados conforme a sua imaginação, mas a aparência principal do tema deve ser mantida.
1.3. A escultura pode ser de qualquer mídia, ou seja, também podem ser escultura digital.
1.4. Quando o tema não contiver uma imagem de referência, a mesma deve ser enviada antes do início do desafio. 

2. É marcado um horário;
2.1. Geralmente é marcado no fim de semana, para que o grupo tentar fazer o andamento juntos.
2.2. Quem não puder fazer junto ao horário proposto, pode selecionar um horário mais adequado, contudo, as regras 3, 4, 5 e 6 se mantém.

3. A estrutura, quando aplicável, pode ser preparada com antecedência.

4. No horário proposto, se envia uma foto para o grupo, da massa a ser utilizada, da estrutura e local de trabalho.

5. A cada 15 minutos se envia uma foto do andamento da peça.
5.1. Opcional 1: 1 foto em 30 minutos.
5.2. Opcional 2: Live no Instagram ou Youtube.

6. Ao final de 1 hora se envia a foto do resultado no grupo. 
6.1. Para postagens dos resultados no Instagram, usar as tags:
#desafio1h
#desafio1hclaytrix
#oclocksculpting

Objetivo:
Chegar o mais longe possível, evoluir a escultura ao máximo, em um tempo determinado.
Isso vai obrigar a caprichar na blocagem das formas básicas e escapar do vício de ir alisando a peça a todo momento, treinando a visualização das formas e volumes de maneira rápida, economizando muito tempo. Também vai melhorar a percepção das etapas de construção dos modelos. 

Para ver os desafios passados e atuais, visite blog.raoni.art.br

Categorias
Dicas

Escala, o que é?

por Raoni Vieira

Post Original em
https://raoniarts.wordpress.com/2018/10/03/escala-o-que-e/

Eu sou chato quanto relações de tamanho. Meço tudo. Pra organizar melhor o meu quarto, cheguei a desenhar tudo no Sketchup em 3D pra poder visualizar. Muitos projetos arquitetônicos são transformados em maquetes, para que os possíveis compradores visualizem como será o empreendimento. Maquetes essas que representam em escala aqueles prédios, carros, árvores e inclusive as pessoas. Mas para que tenham uma representação consistente, é preciso que todos os elementos da maquete tenham a mesma escala.

Escala é o valor pelo qual a peça, a partir de seu tamanho real, é dividida ou multiplicada para que seja representada em modelo.

Tudo aquilo que eu quiser retratar em seu tamanho original, está na escala 1:1 ou 1/1.

Uma escala com valor diferente deste pode demonstrar que houve redução do objeto original, ou ampliação do mesmo, dependendo de como estiver grafada. Sempre o objeto real, ou objeto a ser retratado será o número 1 da escala, então, com base nisso, basta observar se o valor se encontra a direita ou a esquerda para saber se a escala é de ampliação ou de redução.

Escala de redução:
Exemplo.:
1:4
O objeto será 4 vezes menor do que o objeto a ser retratado.
Uma miniatura usa esse tipo de escala.

redução

Escala de ampliação:
Exemplo.:
4:1
O objeto será 4 vezes maior do que o objeto a ser retratado.
Muito comum em estátuas de monumentos, onde a pessoa será retratada maior do que a própria.

ampliação

UM EXEMPLO PRÁTICO

Vou usar aqui duas pessoas, uma possui 2 metros de altura e a outra é uma criança de 1 metro de altura. Este é o tamanho delas na escala REAL, 1:1 ou 1/1.

Caso eu queira retratar elas em uma estátua de tamanho real, basta fazer suas medidas e aplicar.

Mas como fica se eu preciso reduzir elas pra fazer uma estátua a colocar na minha mesa? Simples, basta dividir. Se quero que a estátua deles tenha metade do tamanho, divido por 2 (Escala 1:2), se quero que seja um quarto do tamanho, basta dividir por 4 (Escala 1:4). E o mesmo se repete, de acordo com o tamanho que eu desejo que minhas estátuas tenham.

Eu quero minhas estátuas de forma que a maior delas tenha aproximadamente 20 cm. Como sei que a pessoa mais alta tem 2 m de altura, transformo esse valor em centímetros, que me resulta em 200 cm. Com esse valor, divido por 20 (valor que eu desejo a peça e encontro 10, que será minha escala para esse exemplo.

Escala 1:10
200 cm : 10 = 20 cm

Agora, preciso encontrar o tamanho que terá a criança. Sendo que ela tem 1m, que é 100 cm, ela terá a metade do tamanho, fica fácil assim, ela terá 10 cm.

Escala 1:10
100 cm :10 = 10 cm

Simples até aqui, certo?
E é, basta uma conta simples de divisão, quando se quer reduzir a peça e multiplicação, quando se quer aumentar.

Importância da escala

Podemos usar qualquer escala quando criamos uma escultura ou miniatura, mas para que é interessante o uso de escalas comuns?

Para que haja harmonia entre as peças que interagem.

Quando criamos algo em escala já conhecida, temos mais chances de que nossas peças se harmonizem com outras e isso facilita quando estamos montando um diorama, ou mesmo quando estamos vendendo uma peça única, pois colecionadores geralmente buscam escalas específicas.

Saber a escala de um a peça pode não ser importante quando ela está solitária, mas ao compor uma cena, é muito importante. Também é importante ter uma escala definida quando do objeto a ser reproduzido só temos as dimensões.

Escala em mm

Existe um outro tipo de escala, muito utilizada em miniaturas de jogos de tabuleiro, RPG e war games, usualmente usa o tamanho em milímetros pra expressar a escala.

Nela, geralmente, é expressa a altura de um homem normal (ou heróico) em sua medida até a linha dos olhos.

Por que até a altura dos olhos? Porque como foi desenvolvida para jogos de guerra (wargames) onde muitos exércitos históricos utilizam grandes chapéus, era preciso ter uma ideia melhor de definição da altura.

Escalas comuns para esse tipo de miniatura são 15mm (muito utilizada em wargames), 25mm (as primeiras miniaturas de RPG eram desse tamanho), 28mm (miniaturas de D&D criaram o tamanho, sendo o que seriam os heróis de 25mm), 32mm (muitos boardgames atuais usam esse tamanho e permitem que sejam utilizadas sem problemas com peças de 28mm) e 54mm (bastante utilizado para miniaturas de coleção).

28mm

É possível ler um pouco mais em:
http://rpgista.com.br/2012/02/20/uma-questao-de-escala/

Tabela retirada de http://theminiaturespage.com/ref/scales.html

Escala de miniaturas

EscalaOnde UsadaTeórico equivalente*
1/6000Algumas miniaturas navais vem nessa escala.27mm
1/4800Certas miniaturas navais estão disponíveis nessa escala.34mm
1/4600Algumas naves espaciais disponíveis nessa escala.35mm
1/3900Poucas naves espaciais disponíveis nessa escala.41mm
1/3000Fabricantes europeus produzem miniaturas navais nessa escala, apenas um pouco menor que 1/2400, também usado para naves espaciais..54mm
1/2400comumente usada em miniaturas navais (WWI, WWII, moderno).67mm
1/1250Algumas miniaturas navais alemãs são nessa escala1,29mm
1/1200Também usada para miniaturas navais, especialmente para navios pré século 20. (em períodos modernos a maioria dos jogadores usa 1/2400 devido ao preço e área de jogo)1,34mm
1/900Algumas navios da era Fighting sail estão disponíveis nessa escala.1,8mm
2mmNessa escala cada miniatura geralmente representa uma unidade inteira (um grupo de homens, esquadrão de cavalaria, bateria de artilharia). Recomendado para aqueles que desejam demonstrar grandes batalhas épicas ou que tem menos tempo para pintar figuras históricas e de ficção científica.1/805
1/700Um fabricante oferece réguas nessa escala para serem usadas nos kits de navios de papel que ele produz. Várias linhas de navios de plástico também são disponíveis nessa escala2,3mm
1/650Miniaturas navais2,5mm
1/600Miniaturas navais2,7mm
1/432Algumas aeronaves estão disponíveis nessa escala3,7mm
1/300Fabricantes europeus tradicionalmente oferecem tanques modernos e infantaria nessa escala, ligeiramente menor que a escala 1/285. Aeronaves e space fighters também estão disponíveis nessa escala5,4mm
1/285Escala popular na América do Norte para combate moderno, geralmente envolvendo veículos blindados. Períodos incluem WWI, WWII e contemporâneo.5,6mm
6mmEquivalente a escala 1/285 e 1/300. Miniaturas nessa escala tem a vantagem de serem baratas. O menor tamanho também significa menos detalhes visíveis para pintar. Nessa escala é possível colocar exércitos na mesa que dão impressão de grandes massas de infantaria. Figuras disponíveis para modelos históricos, de fantasia e ficção científica.1/268
1/220Escala Z (escala de ferromodelismo)7mm
1/200Outra escala na qual veículos blindados e aeronaves do século 20 estão disponíveis. Alguns modelos da segunda guerra são feitos nessa escala.8mm
10mmEscala relativamente noca, usada para fantasia, histórica e ficção científica. Alguns pensam que essa será uma escala popular no futuro, grandes o suficiente para alguns detalhes, mas pequenas o bastante para colocar um grande exército na mesa de jogo.1/161
1/160Escala N (ferromodelismo)10,06mm
1/144Kits de aeronaves em metal e plástico estão disponíveis nessa escala11,2mm
15mmA escala mais popular para pré1/107
1/100kits de plástico de Mechs (maquinas robóticas de luta) estão disponíveis nessa escala. Veículos modernos militares também estão disponíveis nessa escala, em metal e plástico.16,1mm
1/87Escala HO (escala de ferromodelismo HO é Half O – metade de O, ou 1:87.2) Várias linhas populares de veículos pré montados e pintados estão disponíveis nessa escala18,5mm
20mmSe tornando popular para wargames do século 20. também para ficção científica1/80.5
1/76Escala OO (escala de ferromodelismo britânica, alternativa a HO) Miniaturas plásticas e kits estão disponíveis para aeronáves, veículos terrestres e soldados.21,2mm
1/72Como a acima, mas ligeiramente maior22,4mm
25mmtradicionalmente popular para wargames pré século 20, apesar que a maioria dos jogadores de históricos tem substituido pela escala 15mm. Excelente para jogos de display. Mesmo que a Escala S de ferromodelismo1/64
28mmAs figuras grandes de 25mm algumas vezes são listadas como 28mm1/58
30mmOutra escala usada para pré século 201/54
1/43.5Escala O tradicional de ferromodelismo, não é uma escala de wargame37mm
1/48Escala popular para kits plásticos de aeronaves, algumas figuras de display tamb´tm estão disponíveis nesa escala. Também é a escala de ferromodelismo Escala P4833,5mm
40mm Algumas miniaturas da guerra civíl americana estão disponíveis nessa escala 1/40
1/35Escala popular para kits de blindados. Ocasionalmente usados para jogos modernos.46mm
1/32Escala I de ferromodelismo, também usada para figuras de display50.3mm
54mmEscala tradicionais de “soldados de brinquedo”, não mais uma escala para jogos de guerra em miniatura, no entanto tem feito um retorno nos últimos anos. Dizem que os números grandes são mais convenientes para os jogadores mais velhos. Essa escala também é popular para figuras de exibição (não wargaming).1/30
80mmEscala para miniaturas de exibição1/20
90mm Escala para miniaturas de exibição 1/18
1/16 Escala para miniaturas de exibição 100,6mm
120mm Escala para miniaturas de exibição 1/13
1/9 Escala para miniaturas de exibição 178,9mm
*Usando a “altura dos olhos” como regra para altura da escala.

Categorias
Desafio

Desafio de São Claymente

por Raoni Vieira

Post original em https://raoniarts.wordpress.com/2018/08/08/desafio_sao_claymente/

O pessoal da madrugada do grupo da Claytrix no Telegram criou uma ideia pra incentivar o pessoal a estudar. Pra quem não conhece São Claymente, visite o canal do Youtube da Claytrix e assista as lives. Além de aprender muito sobre o mundo escultórico, irá também conhecer as lendas de São Claymente e o Rinotoba.   Desafio do São Claymente: Objetivo: Esculpir a criatura escultória lendária São Claymente, em qualquer mídia (incluindo digital) e tamanho. Do sketch até a finalização. (nada de parar no meio)  

Regras:

  • Tem que postar no Instagram  o andamento, ou seja, cada vez que mexer na peça, poste uma foto lá. 
    (Isso faz com que movimente o seu instagram, hoje ele é uma ferramenta interessante)
  • Usar as hashtags  #desafiosãoclaymente  #sãoclaymente  #claytrix
    (ajuda a encontrar os São Claymente perdidos por aí)    
  • Não é necessário molde e casting, mas não está proibido ?  
  • Tem que ter o concept/rascunho/referências postadas pelo menos uma vez durante o processo. Ou seja, nada de fazer de qualquer jeito, de cabeça.
    (A ideia é praticar também o uso das referências)  
  • Quando possível, fazer um vídeo, com o celular na horizontal, a uns 50cm da peça, girando ela para mostrar todos os lados, postar no youtube e enviar o link até a última quarta-feira do mês para contato@claytrix.com.br para participar da live de críticas do canal da Claytrix.
    (A ideia aqui é fazer o pessoal perder a vergonha de receber críticas)

Dicas:

– Se tu não és bom de desenho, pelo menos use imagens baixadas da internet, misture os elementos, mas não faça somente de cabeça, assim o trabalho anda mais tranquilo, acredite;

– Procure esculpir diariamente, nem que seja por meia hora, isso cria um hábito de trabalho;

– Ilumine bem o ambiente de trabalho, isso reduz a fadiga ocular e melhora a visualização da peça;

– Pare pelo menos a cada uma hora para esticar as pernas, costas e tomar água, isso também ajuda a manter o “fresh eye”;    

saoclaymentedesfocado